terça-feira, 23 de setembro de 2008

Sid Vicious - Sid Sings (1979)

Boomp3.com
Saudações, mortais desse Estranho Mundo.
John Simon Ritchie, mais conhecido como Sid Vicious, é uma figura emblemática. Para uns ele é a síntese do punk rock. Para outros, ele era um idiota sem talento que estereotipava o movimento. Para outros, ainda, ele não passava de um poser. Pra mim ele era (e é) uma mistura disso tudo: um genial idiota - genial como poucos e idiota como muitos de nós. Um péssimo instrumentista - muitas vezes seus companheiros de banda chegavam a desligar seu baixo para que ele não atrapalhasse a banda nos concertos - Sid era a personificação da atitude punk. No Sex Pistols, Sid substituiu Glen Matlock e se tornou mais lembrado do que o integrante original. Em 77 Sid conhece Nancy Spungen e inicia um relacionamento destrutivo com ela. Viciados em heroína, Nancy e Sid compartilhavam da morte lenta enquanto os Sex Pistols chegam ao fim, em 78. Um ano depois Nancy passa a empresariar a carreira solo de Sid. Nesse período ele se apresentou com nada mais nada menos que Mick Jones, do The Clash, Glen Matlock, baixista original dos Pistols, Rat Scabies, do The Damned, e Arthur Kane, Jerry Nolan, e Johnny Thunders, do New York Dolls. Porém, o mundo se fechava ao redor do triângulo "Sid-Nancy-Heroína". As apresentações se tornam inviáveis devido ao estado mental do músico. Nas entrevistas os dois sempre estavam alterados demais pra dizer alguma coisa com sentido. Surgem as primeiras overdoses. Em outubro de 78 Sid foi avisado que sua namorada tinha sido encontrada morta, vítima de overdose no Hotel Chelsea, em Nova Iorque. Um mês depois Sid foi preso, acusado da morte da namorada. Após pagar fiança, Sid foi liberado. Dez dias depois Sid tenta suicídio e vai parar no Bellevue Hospital. Lá, ele conhece Michelle Robinson, com quem começa a namorar. Pouco tempo depois de deixar o hospital, Sid é acusado de agressão e vai parar na penitenciária de Riker's Island por 55 dias. Ao sair da cadeia, Sid está limpo. Porém, no jantar de comemoração de sua libertação, Sid arruma uma dose de heroína e, ao chegar em casa, se droga. Resultado: nova overdose. sua namorada o reanima e, juntos, adormecem. No dia seguinte, 3 de fevereiro de 79, Sid foi encontrado morto ainda na cama. Sua dose da noite anterior tinha sido fatal (numa proporção de 80% de pureza contra os 5% das doses normais - o que, somado à sua abstinência dos tempos na cadeia e ao fato dele adormecer ainda sob o efeito da droga, tinha sido fatal). Com certeza essa foi a parte idiota de Sid (veja o noticiário aqui (parte 1) e aqui (parte 2). O álbum "Sid Sings" foi o único oficial da carreira solo de Sid. Gravado em 78 e lançado em 79, depois de sua morte. Contém os singles "My Way" e "Something Else" - não contém "C´mon Everybody" mas, como é uma música que eu gosto então tá aqui nesse post também.. Um álbum estranho, sem créditos dos músicos nem informações sobre as gravaçõs, consta apenas o nome de John "Boogie" Tiberi como "engenheiro". Sabe-se, porém, que o grosso desse material foi gravado no "Max's Kansas City", em Nova Iorque, em 28-29 de setembro de 1978. Destaque para a versão junkie de "Born to lose" e para a platéia que hora gritava insandecida, hora xingava-o de poser.
"Almas atormentadas, tremei!"

2 comentários

BloodyMary disse...

Hell, você nem tirou a etiqueta do preço da capa do disco? huahuahuah Como tudo relativo aos Pistols "cheira a armação", trarei em breve outro álbum solo do Vicious. Aguarde! Beijão e bom dia!

hellraiser disse...

Saudações, Mary. Não duvido nada que existam outros "não-oficiais" do sr.Ritchie. Será uma honra tê-los por aqui também. Até mais.

Postar um comentário

Desenvolvido por UsuárioCompulsivo, desmontado e remendado por "Estranho Mundo de Mary". ^